‘Lawtech’ Sem Processo recebe investimento e prevê crescer 200% em 2020

A startup Sem Processo, do Rio de Janeiro, é a mais nova aposta do fundo de investimentos Primatec, focado em empresas de tecnologia e inovação. A startup que atua no setor jurídico acaba de receber um aporte do fundo que hoje tem 100 milhões de reais em administração na carteira.

Com o novo investimento, a Sem Processo se torna a mais recente startup a crescer no segmento das “lawtechs”, como são chamadas as empresas de tecnologia que desenvolvem soluções para facilitar o trabalho de advogados e o andamento de ações judiciais. O valor do investimento não foi revelado.

Fundada em 2016 pelo advogado Bruno Feigelson e outros quatro sócios, a Sem Processo desenvolveu um sistema digital que tem como objetivo resolver uma grande dor de cabeça de empresas que lidam com grandes volumes de ações.

Por meio da plataforma, os advogados de duas ou mais partes podem negociar um acordo legal e evitar que a ação tenha de ir à Justiça. A ideia é agilizar a realização de acordos e desafogar a quantidade de processos que passam pelos departamentos jurídicos das empresas. Segundo Feigelson, cerca de 20.000 casos são processados na plataforma todo mês. Em 2019, os acordos realizados por meio da plataforma somam um valor de cerca de 5 bilhões de reais.

Leia mais em: https://exame.com/tecnologia/lawtech-sem-processo-recebe-investimento-e-preve-crescer-200-em-2020/

fonte: Exame

Startup da Nova Zelândia desenvolve serviço de eletricidade sem fio

Financiada pelo governo local, a startup neozelandesa Emrod está trabalhando para tornar viável a distribuição de eletricidade sem fio. O serviço, que deve ser expandido nos próximos anos, já foi testado e funcionou para pequenas distâncias. 

O “Wi-Fi” de eletricidade precisa ser transmitido por um caminho linear e sem obstáculos. A tecnologia se baseia na irradiação de ondas eletromagnéticas entre um ponto e outro. Essas ondas são emitidas por um elemento quadrado que substitui os cabos de eletricidade nos postes, e transformadas em energia elétrica com o auxílio de um dispositivo chamado retena, uma espécie de antena retificadora utilizada em transmissões via ondas de rádio

Leia mais em: https://olhardigital.com.br/noticia/startup-da-nova-zelandia-desenvolve-servico-de-eletricidade-sem-fio/104805

fonte: Olhar Digital